Saúde Tecnologia

Uma visão geral sobre os benefícios do ômega 3

Quando se fala em ômega 3, muitas pessoas associam também ao ômega 6, mas, apesar de ambos serem ácidos graxos essenciais ao nosso organismo, suas funções apresentam-se de formas diferentes e a maneira de adquiri-los na natureza também. 

O ômega 3 é conhecido como ácido graxo essencial porque o corpo não o produz e, portanto, é necessário consumi-lo por meio da alimentação ou por suplementação.

Como nosso foco é o ômega 3 neste texto, que tal conhecer um pouco mais sobre esta substância tão importante para nossas funções vitais? 

Algumas funções do ômega 3

Existem diversos estudos sobre ômega 3 e seus efeitos benéficos ao organismo. Podemos abordar seus efeitos mais a fundo em textos futuros aqui no blog. Mas, hoje, queremos oferecer uma visão geral das diversas possibilidades de atuação do ômega 3. Por isso, separamos uma listinha:

  • O ômega 3 tem propriedades anti-inflamatórias e previne danos celulares;
  • Promove melhor funcionamento das artérias, evitando doenças cardiovasculares, controlando o colesterol ruim e os triglicerídeos, responsáveis por formar placas de gordura nas artérias;
  • Tem propriedades anticoagulantes, prevenindo sintomas como trombose venosa ou embolia pulmonar;
  • É forte aliado no combate à depressão, pois protege as células do cérebro e ainda ajuda a aumentar a produção de substâncias responsáveis pelas emoções, como serotonina e dopamina, que são associadas ao humor e bem-estar. Por isso, indica-se como aliado para tratar depressões e perturbações do sono, por exemplo;
  • O ômega 3 ajuda a combater a asma por causa de suas propriedades anti-inflamatórias;
  • Previne doenças autoimunes, ou seja, condições provocadas pelo próprio organismo quando o sistema imunológico ataca as células saudáveis. Também auxilia no tratamento de algumas destas doenças quando já instaladas, como lúpus, doença de Crohn e psoríase;
  • Ele auxilia na redução dos açúcares no sangue, controlando a glicemia, porque melhora a resistência de insulina;
  • Como 60% do cérebro é constituído por gordura, o ômega 3 é muito importante para proteger as funções deste órgão, melhorar a memória e o raciocínio;
  • Por consequência, também previne doenças como Alzheimer, já que seu consumo pode reduzir a perda de memória e a dificuldade de raciocínio lógico;
  • O ômega 3 também melhora a pele, mantendo-a mais macia e hidratada.

Os tipos de ômega 3

Existem três tipos de ômega 3 e todos têm funcionalidade em nosso organismo: 

Ácido docosa-hexaenoico (DHA):

Como falamos anteriormente, o ômega 3 é muito bom para o cérebro, já que 60% deste órgão é composto por gordura. Deste montante, 20% é composto por DHA. Há vários estudos que apontam melhora da capacidade cognitiva quando há boa fonte de DHA no organismo. 

Esse ômega 3 é encontrado em peixes de água fria, como cavala, salmão e sardinha.

Ácido eicosapentaenoico (EPA):

Ajuda a manter os triglicerídeos em bons níveis, melhora o sistema cardiovascular e o desenvolvimento dos fetos. Também combate o excesso de ingestão de ômega 6. 

Assim como o DHA, é encontrado em peixes de água fria;

Ácido alfa-linolênico (ALA): 

Para tornar-se ativo, este ácido graxo deve ser convertido, no corpo, em EPA ou DHA. No organismo, ele é responsável pelo bom funcionamento das membranas celulares e também atua na transferência do oxigênio atmosférico para o plasma sanguíneo, na síntese da hemoglobina e na divisão celular. 

Este tipo de ômega 3 é encontrado em fontes vegetais, como folhas de coloração verde escura (agrião, couve, espinafre, brócolis e alface), cereais (aveia, arroz integral, feijão e ervilha), leguminosas, nozes e sementes, como linhaça.

A importância do equilíbrio entre ômega 3 e 6

Sempre falamos sobre a importância do equilíbrio na nossa vida, como na alimentação. Com os ômegas isso não seria diferente. O equilíbrio entre eles é de extrema importância para manter a saúde do organismo.

As mudanças nos hábitos alimentares da população ocidental é a grande responsável pelo desequilíbrio entre o ômega 3 e o ômega 6 por ser rica em alimentos industrializados, frituras, gordura hidrogenada e pobre em peixes, frutas, verduras e legumes. 

Para entender o tamanho do desequilíbrio, a relação ômega 6:ômega 3 em países ocidentais chega a 30:1 (ou seja, 30 partes de ômega 6 para 1 parte de ômega 3), quando a recomendação varia entre 2:1 a 5:1. É muita diferença, não é mesmo?

E qual o problema dessa relação desigual? A questão é que o ômega 6, em excesso, apresenta reação pró-inflamatória e não permite que o ômega 3 desempenhe todas as suas funções biológicas. Ou seja, além de não apresentar todos os benefícios que citamos, o excesso de ômega 6 gera o efeito contrário em nosso corpo: o desenvolvimento de diversos tipos de doença.

Por isso, a razão entre o ômega 3 e o ômega 6 é tão importante e tem um papel de destaque na nutrição humana.

5 dicas para aumentar melhorar a relação entre ômega 3 e 6

  1. Consumir peixes marinhos de águas frias e profundas, como salmão selvagem, atum, arenque e cavala;
  2. Inserir a linhaça na rotina: a semente pode ser adicionada a frutas, cereais e saladas, por exemplo, e o óleo também pode ser utilizado;
  3. Diminuir o consumo de óleo vegetal de milho e soja, especialmente para frituras;
  4. Reduzir o consumo de alimentos industrializados e processados;
  5. Aumentar o consumo de alimentos frescos e in natura, como frutas, legumes e vegetais. 

Atenção para a qualidade do ômega 3

Como os alimentos que concentram ômega 3 nem sempre são facilmente encontrados pela maioria da população e por apresentar diversos benefícios, existe uma infinidade de marcas de ômega 3 disponíveis no mercado. 

Um dos principais pontos a se observar é a isenção de metais pesados. Por mais estranho que possa parecer, o ômega 3 pode estar contaminado com chumbo, arsênio, cádmio e mercúrio, por exemplo. Portanto, procure por suplementos que garantam serem livres desses metais.

Outro ponto é a concentração do ômega 3, pois existem diferentes tipos de concentrações de EPA, DHA e ALA. Mas qual a concentração ideal? Isso vai depender do objetivo de cada pessoa, por isso, a indicação por um profissional da saúde é recomendada. 

Por fim, mas não menos importante, se você é vegetariano ou vegano e acha que não pode consumir suplemento de ômega 3 porque esse ácido é extraído de peixes, você está enganado. Hoje, já existem suplementos a base de algas para atender esse público!

Links úteis:

visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link
visitar link

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.